Hello, Stranger

10499561_10203612094596896_4877960321034326192_o

Em que momento da vida a gente desaprendeu a se relacionar com os outros? Ou a gente nunca soube?

Tem tantos diálogos do filme “Closer” que eu gosto, que eu mesma já me vi usando alguns deles na vida real. O enredo parece simples: paixões; relacionamentos. Porém, os diálogos tocam em questões que nos são caras,  quer dizer, será que ainda são?  Não quero parecer a velha conservadora, mas parece que estamos cada vez mais na superfície dos relacionamentos.

“Se você acredita em amor a primeira vista, você nunca deve deixar de procurar.” Aparentemente cada vez mais pessoas procuram por um ” ideal”, uma pessoa que caiba em todas suas caixinhas de ideias, que são infinitas. Começa pelo tipo físico, passa pelos hábitos e terminas nos projetos de vida. Parece que ninguém quer mais construir junto, virar a vida de cabeça para baixo por outra pessoa. Queremos alguém que caiba nos nossos sonhos e ainda se vista do jeito que gostamos, fale dos assuntos que nos interessa e esteja sempre disponíveis quando fica bom na nossa rotina.  

Nos esquecemos que o amor é a única parte da vida da qual não podemos ter controle e que as pessoas são como elas são, não como nós queremos. E falo por mim também, porque já ouvi de um “médium” que eu sou muito boa com todos os aspetos da minha vida, mas parece que no lado emocional eu estou sempre deslizando. Talvez por que eu saiba o tipo de relacionamento em que acredito, mas o meu ego tem medo dele ou quer se provar perante os outros, ou simplesmente porque não estou preparada. Então eu entro de cabeça em qualquer jogo de gato e rato até sair com a vantagem e corro quando vejo algo que teoricamente pode de fato me fazer bem. E quem não é assim? Me ensinem, por favor.

Aonde? Me mostra! Aonde esta esse amor? Eu não posso vê-lo, eu não posso toca-lo, eu não o sinto, eu não posso ouvi-lo. Eu posso ouvir algumas poucas palavras, mas eu não posso fazer nada com essas suas simples palavras!”

Essa é umas das frases que eu usei para a minha vida, foi  no fim de um relacionamento, quando as palavras já não são suficientes.  A nossa incapacidade de colocar sentimento em ações também parece ser gritante nos dias de hoje. Os corações estão por toda parte, mas seja com amores ou amigos, quantas pessoas realmente estão disposta a fazer algo por você sem ter absolutamente nenhuma vantagem?  Quantas pessoas se preocupam de verdade com você e demonstram isso com atos?

“Eu não quero mentir. Eu não posso te dizer a verdade. Então acabou.

“O que há de tão bom na verdade? Tenta mentir para variar, é o jeito do mundo.”

E por último e não menos importante, qual o  problema do mundo com a sinceridade? Porque essa necessidade de dizer o que não se pensa, de fingir o que se quer, de esconder, de criar histórias. Porque não simplesmente olhar nós olhos de alguém e dizer a verdade? Não fazer jogos, ser sincero, ainda que a verdade às vezes doa mais que uma mentira.

Não somos bonecos, somos pessoas. Por mais que pareça estarmos acostumados a viver nesse modo automático, todos nós sabemos no final das contas que viver na superfície é ruim demais. Mas não conseguiremos ser melhores com os outros enquanto não formos com nós mesmos. Chega uma hora que o superficial cansa. Cansa a mentira, cansa o egoísmo. Que você quer o simples, o claro. Não fomos feitos para viver pela metade. Não fomos feitos para fingir os nossos sentimentos, mas só conseguiremos ser sinceros com os outros quando formos com nós mesmos. Só vamos falar a verdade para os outros, quando a gente tiver descoberto a nossa própria verdade. Mas, quando a gente descobrir a nossa verdade, a do outro não vai fazer diferença, porque o outro é só um espelho para nos mostrar o melhor de nós mesmos.

Screen Shot 2017-08-09 at 9.37.43 AM

Screen Shot 2017-08-09 at 9.37.31 AM

Sobre anandadelevati

Ananda Unmani Delevati, jornalista, viajante, escorpiana, vegetariana, intensa. Acredito que a gente está no mundo para viver e compartilhar coisas boas e tentar ser nossa melhor versão, sempre. Pelo caminho aprendi que não há muita explicação lógica para a vida e só nos resta viver, aproveitar cada momento com liberdade e consciência e espalhar amor por aí <3 Atualmente vivo em Byron Bay, Australia, e trabalho com intercâmbio desse lado do mundo :) Tenho interesse por viagens, espiritualidade, gastronomia, vida saudável, filmes, livros, boas convertas e por escrever. Compartilho um pouco de tudo isso por aqui! Dicas, sugestões e feedbaks são muito bem vindos. Contato: anandadelevati@gmail.com
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s